Total de visualizações de página

Google+ (Meus Seguidores)

Pesquisar neste Blog

Translate

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

A quem pertence à escola?


Eu adorei esse vídeo que a UNE - União Nacional dos Estudantes (www.une.org.br) (Lei 7395 de 31/10/1985) compartilhou dias atrás no facebook.

As crianças de 16 anos tem que ser assim.  Pensar por elas próprias, e serem capazes de tomar decisões, porque os adolescentes de nacionalidade brasileira desde Agosto/2013 tem autonomia parcial, para poderem fazer algumas coisas sozinhos, sem precisar ter pai e mãe presente.







E os adolescentes que completam 16 anos de idade em 2016, já podem votar nas eleições, conforme informações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Em Agosto/2013 foi instituído o ESTATUTO DA JUVENTUDE (Lei 12.852 de 05/08/2013), essa legislação está em vigor, e ela deu emancipação parcial a todos os adolescentes brasileiros a partir dos 15 anos de idade.

Quanto a essas greves em escolas públicas que houveram em 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016, que foram greves de professores, greves de alunos, que duraram várias semanas ou vários meses, isso tem por consequência um grande prejuízo na educação de todos os alunos, porque eles tiveram as aulas o ano letivo prejudicado, vários alunos não concluíram a carga horária total de aulas do ano letivo.

Quanto a essas invasões feitas por militantes de partidos políticos, ao invadirem as escolas  públicas para reclamar de propostas políticas, na minha opinião isso é ilegal, porque o que estão fazendo é prejudicar o estudo de vários alunos que estão matriculados nas escolas públicas.  Querem reclamar de propostas políticas? Que o façam fora das escolas, porque todas as escolas é o local dos professores trabalharem ensinando as matérias básicas aos seus alunos, é o local dos alunos estudarem.  Os professores e os alunos tem que cumprir uma carga de horas de aulas definida para poderem concluir o ano letivo dentro do prazo pré-estabelecido do calendário escolar da escola. Escolas não é local de fazer reclamações de projetos políticos, é local dos alunos estudarem.

Quanto a esse portal do FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, (instituído pela Lei 5537 de 21/11/1968), eu tenho uma crítica, na minha sincera opinião, essa política de obrigar todos os alunos de escolas públicas devolverem todos os livros de todas as matérias escolares, o que faz na realidade é prejudicar 100% todos os alunos que estudam em escolas públicas, em todos os estados do Brasil.   Porque os alunos de escolas públicas tendo que devolver todos os livros escolares, de todas as matérias, no final de cada ano letivo, ficam sem ter dentro da casa deles todos os livros escolares de todas as matérias para poderem estudar e consultar, para depois poderem fazer as provas do ENEM (INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeirae poderem fazer as provas de vestibulares em universidades. A consequência principal disso, foi o resultado recente da avaliação da qualidade dos estudos dos alunos brasileiros, em escolas públicas e privadas, em vários estados do brasil, cujo resultado negativo foi amplamente divulgado em diversos meios de comunicação (jornais, revistas e televisão) algumas semanas atrás, na qual a maioria dos alunos de escola pública obteve nota baixa na avaliação dos estudos relativo ao ano letivo de 2015.

Quanto a essa reclamação do ensino passar a ser em tempo integral, eu sou 100% a favor, concordo. O pai e a mãe das crianças e adolescentes tem que trabalhar (para poderem sustentar a moradia e sustentar os filhos), vários não podem faltar ao trabalho para cuidar dos filhos em horário comercial. Não existe creches em quantidade suficiente para todos os pais colocarem seus filhos pequenos.  Eu coloquei minha filha (quando ela tinha 2 anos de idade) em um colégio privado, em horário integral, e ela ficou estudando em horário integral até a 4a. série do ensino fundamental (até os 10 anos de idade).  Isso me ajudou muito, pude trabalhar tranquila durante vários anos, eu gostava dos professores da minha filha, eu gostava do método de ensino tradicional da escola.  Esse período de ensino integral os professores ensinaram a minha filha a se acostumar a estudar sozinha por vontade própria, a se acostumar a fazer os deveres de casa sozinha, sem eu ter que ficar no pé dela cobrando algo.  Hoje em dia a minha filha já é uma adolescente, e ela está estudando o 3º ano do ensino médio em um colégio federal, no Rio de Janeiro, e ela deve concluir o seu estudo em dezembro/2016.

Estamos na era da internet com quase todas as crianças e adolescentes conectados na internet diariamente, utilizando IoT: os celulares, computadores, videogames (XBOX, PS3, PS4, etc).  Hoje em dia os pais tem que determinar qual horário os filhos devem estudar, qual horário os filhos devem fazer os deveres de casa, qual horário os filhos podem brincar com o celular ou com o videogame na internet.

Concluindo: Todos os alunos sendo organizados e responsáveis, conseguem brincar com videogames (celular ou computador) usando internet em casa, e conseguem tirar notas boas nas escolas.  Minha filha conseguiu concluir o ensino fundamental e irá concluir o ensino médio em 2016. Mesmo tendo o meu computador ligado 24 horas na internet com wireless, mesmo brincando com videogames, mesmo brincando com o celular na internet, ela conseguiu tirar notas razoáveis na escola, durante todos esses anos.  Se a minha filha conseguiu, os demais adolescentes conseguem também.  Os pais tem que conversar a sério com os filhos, todos se organizarem, mesmo com alguma dificuldade, tudo o que é essencial se consegue fazer.

O foco principal disto, é estudar, a obrigação dos pais é educar os filhos, a obrigação dos professores é ensinar seus alunos, e a obrigação dos alunos é tentar aprender e entender tudo o que os professores ensinam nas escolas.  As escolas pertencem aos alunos, e aos professores, para uso da educação.


Por Ana Mercedes Gauna (28/10/2016 | 02/11/2016)


                                  

Minha lista de blogs